EXCHANGE RATE : 2008 header image 3

Marssares

Performance Interpretation

Marssares interpreted a piece by Bruce Conkle in Rio De Janeiro.

Performance Directions

Proposition:

1- Transcribe and post a dream you had.
2- Stop eating for a long period whatever food you think is enough for you.
3- Burn any herb that produce an aroma.

ps: chose how many as you wish(1, 2 or all 3).

Interpreted by:
Bruce Conkle
Dorit Cypis
Adam Overton

Bio

Marssares’ artwork traces a tangent line through both image and sound. The connection between these two elements is evident in artworks such as “Parques de Som” and “TAMBOR”, in which the artist designs (with plywood material) speakers for sub-frequencies and attaches them to architecture and landscapes. Many artworks that Marssares creates also propose participation from the observer, such as in projects like “Relocação de Paisagem.” In these pieces, the ambient sound’s of a specific site is captured and subsequently transmitted live to a separate remote site, re-forming an atmosphere “across the sound.” The life experiences in these situations are “addictive” for audience participants, a theme Marssares explored in 1998. During this time the artist printed his image on LSD and distributed little pieces among a group of invited participants in an empty apartment in Copacabana. In the same year, he also started the UGANDA, a sound manifestation translated as “Induced chance proposition”, a meeting of people not necessarily attended with music, but disposed to create sound in chaotic improvised conditions. Marssares lived for 10 days at Agora/Capacete Gallery, transforming the space into a sociable and friendly environment. During his residency, Marssares made available instruments and microphones available on a daily basis to everyone who was disposed to “collective sound chaos”.

www.myspace.com/marssares

Marssares traz em sua arte uma linha tangente à imagem e ao som. A ligação entre esses pólos é evidente em trabalhos como Parques de Som e TAMBOR, onde caixas de som desenhadas para freqüências sub-graves construídas em madeira são acopladas à arquiteturas e paisagens. Situações que propõem a participação do observador, é o que acontece também nos projetos de “Relocação de Paisagem”, onde o som ambiente de um lugar é capturado e transmitido em tempo real para outro, re-ambientando lugares distantes. A experiência vivida nessas situações são o aditivo para quem em 1998 imprimiu sua imagem em papel de LSD e distribuiu os pedaços aos visitantes de uma situação montada num apartamento vazio em Copacabana. No mesmo ano iniciou o UGUANDA, uma manifestação sonora traduzida como “Proposição ao acaso induzido”, um encontro de pessoas não necessariamente ligadas à música, dispostas a gerar som em condição de caótico improviso. Morou por 10 dias na galeria Agora/Capacete transformando o espaço em um local para convivência sonora de amigos e convidados, disponibilizando diariamente instrumentos e microfones para todos os que estivessem dispostos ao caos sonoro-coletivo.

Portfolio